Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Crédito Carbono: Uma grande oportunidade no mercado de crédito

Um estudo da McKinsey prevê que o mercado mundial de crédito de carbono pode crescer de US$ 1 bilhão para US$ 50 bilhões até 2030
Publicado em 08/08/2023
Leia em 2 minutos
Allan Almeida

Índice

Um recente estudo da consultoria McKinsey revela que o mercado global de crédito de carbono está projetado para crescer significativamente, possivelmente atingindo a marca de US$ 50 bilhões até 2030, em comparação aos atuais US$ 1 bilhão. O Brasil destaca-se como um ator chave nessa transformação, abrigando 15% do potencial mundial de captura de carbono devido a suas condições naturais vantajosas. O país se posiciona favoravelmente devido ao custo competitivo para a implementação de projetos de crédito de alta qualidade, superando a média global.

O mercado de crédito de carbono opera analogamente a outros mercados de crédito, porém, nesse contexto, a moeda de troca é a não emissão ou a remoção de dióxido de carbono (CO₂) da atmosfera. Empresas ou até mesmo estados que emitam menos carbono do que removem podem acumular créditos de carbono. A capacidade do Brasil nesse aspecto é considerável, sendo influenciada por vastas áreas de vegetação protegida, particularmente na região amazônica. Outros biomas, como o Cerrado, também desempenham um papel importante. Ações eficazes de preservação e restauração podem resultar em um considerável estoque de créditos de carbono disponíveis para negociação.

O senador Nelsinho Trad ressalta os impactos benéficos do mercado de crédito de carbono na economia brasileira, prevendo a atração de investimentos em setores sustentáveis, tais como energia renovável, hidrogênio verde, combustíveis eco-amigáveis e metais verdes. Além disso, destaca a necessidade de regulamentação sólida para assegurar segurança jurídica aos participantes do mercado, bem como para promover a redução de emissões e contribuir na luta contra as mudanças climáticas.

De acordo com a pesquisa da McKinsey, das 80 principais empresas atuantes no Brasil, 77% já estabeleceram metas de redução de emissões. Para atingir essas metas, muitas estão investindo na preservação florestal como forma de compensação e para tornar-se competitivas no mercado de crédito de carbono.

O Grupo Melhoramentos, uma destacada entidade no mercado editorial e de gestão florestal, tem preservado vastas áreas florestais, totalizando milhões de metros quadrados. A empresa demonstrou sucesso na redução de emissões, principalmente por meio da preservação e estoque de florestas. Embora ainda não tenha obtido receitas significativas através de créditos de carbono, a Melhoramentos está explorando potenciais parcerias e oportunidades de mercado, em linha com uma crescente conscientização e regulamentação ambiental.

O mercado de crédito de carbono representa uma jornada promissora para o Brasil, com a possibilidade de impulsionar a economia, criar empregos e fomentar práticas sustentáveis. Contudo, a implementação eficaz e a regulamentação adequada desempenham papéis cruciais no sucesso desse empreendimento.

(Fontes: Estudo da McKinsey; Entrevista com Charles Dayler; Declarações do senador Nelsinho Trad; Dados do Grupo Melhoramentos)

Outras matérias para você:

Compartilhe este artigo

Quero comprar

um imóvel.

Quero empréstimo
usando meu imóvel.