Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Inflação EUA

Inflação alta nos EUA afeta bolso dos brasileiros

Saiba porque a alta inflação nos EUA influencia na vida dos brasileiros. Índice americano registrou alta de 8,5% em agosto.
Publicado em 14/09/2022
Leia em 2 minutos
Allan Almeida

Índice

A inflação nos EUA segue firme e forte para a tristeza do mercado. Em agosto, o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) acumulou alta de 8,3% em 12 meses.

O resultado até veio abaixo do registrado no mês passado, de +8,5%, e bem melhor do que em junho, quando a inflação bateu recorde de 9,1%.

Porém, ainda assim, os números ficaram acima das projeções do mercado de +8%.

Para piorar, o núcleo do CPI, que exclui itens voláteis como alimentos e energia, subiu de 5,9% para 6,3%. Isso indica que a alta nos preços é mais generalizada e persistente.

Desse modo, confira porque isso pode prejudicar o bolso dos brasileiros.

Como fica o câmbio com a inflação alta nos EUA?

Economistas explicam que a primeira influência é no câmbio.

Logo após a divulgação dos dados, o dólar à vista operou em forte alta, com a moeda subindo mais de 2%, a R$ 5,20.

Além de levar a uma desvalorização das moedas emergentes, o dólar alto é sentido nas importações e exportações.

A cadeia de produção brasileira depende de matérias-primas importadas. Com o câmbio fortalecido, esses insumos ficam mais caros e o valor é repassado para o consumidor.

Além disso, as indústrias dão preferência em exportar os seus produtos a vendê-los localmente. Isso reduz a oferta de produtos no país e eleva os seus preços.

Logo, esses dois fatores fazem com que o combate à inflação brasileira fique mais difícil.

Atualmente, a inflação no Brasil acumula alta anual de 8,73% e o Banco Central já avalia a possibilidade de encerrar o ciclo de aperto da Selic.

Na próxima semana, o Comitê de Política Monetária (Copom) decide se mantém a taxa básica de juros (Selic) em 13,75% ou se promove uma alta residual de 0,25 ponto percentual (p.p.).

Juros em dólar

Outra questão é que a persistência da inflação americana abre o questionamento de até onde o Federal Reserve deve elevar a taxa de juros.

A probabilidade de o Fed promover uma alta de 1 p.p. na reunião de setembro entrou no radar do mercado após dados de inflação – apesar de a maioria ainda apostar em 0,75 p.p. E o ciclo de aperto não acaba por aí: são previstas novas altas em novembro e dezembro.

O mercado saiu daquela taxa terminal projetada em algo abaixo de 4% ao ano, que seria atingido no começo do ano que vem, para um patamar mais próximo de 4,25% e 4,50%.

Acontece que a alta de juros lá nos EUA, afasta os investidores estrangeiros dos ativos brasileiros.

A tendência é que o mercado se volte para mercados mais protegidos e que oferecem mais retorno – os juros altos elevam os ganhos dos Treasuries, os títulos do Tesouro americano, e os investidores viram as costas para os investimentos de países emergentes.

Outras matérias para você:

Compartilhe este artigo

Quero comprar

um imóvel.

Quero empréstimo
usando meu imóvel.