Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
ranking produção Brasil

Ranking de produção: Brasil é 100º entre 113 países

Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial divulgou ranking de produção e Brasil está em 100º lugar. Confira os outros países.
Publicado em 24/10/2022
Leia em 2 minutos
Allan Almeida

Índice

Dados do ranking de produção mostra que o Brasil ocupa o 100º lugar. Ao todo são 113 países pesquisados pelo Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi).

Essa pesquisa utiliza as informações da Unido, a Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial.

No primeiro semestre deste ano, a indústria de transformação mundial cresceu 0,1%, enquanto o desempenho do parque fabril brasileiro teve uma perda de 2,0%, em relação ao mesmo período do ano anterior.

Na comparação do primeiro semestre de 2022 com o primeiro semestre de 2021, o desempenho da indústria brasileira foi pior do que o da Argentina (5,9%) e da Rússia (0,5%).

Confira os líderes do ranking:

  • Filipinas (33,7%);
  • Trinidad e Tobago (25,0%);
  • Quirguistão (24,0%);
  • Arábia Saudita (21,3%);
  • Mauritânia (20,4%).

Desse modo, o Brasil se saiu melhor que:

  • Japão (-2,1%);
  • Luxemburgo (-2,1%);
  • Camarões (-2,3%);
  • Sri Lanka (-2,9%);
  • Malta (-3,2%);
  • Mongólia (-4,2%);
  • Brunei (-5,1%);
  • Macau (-5,3%);
  • Nova Zelândia (-5,7%);
  • Bielorrússia (-6,1%);
  • Argélia (-6,4%);
  • Geórgia (-10,0%);
  • Irlanda (-10,1%).

Com a pandemia se dissipando, o Brasil se vê às voltas com perda de competitividade, derivada de entraves estruturais, falta de modernização tecnológica e encarecimento de custos de produção, por exemplo.

Além disso, a demanda doméstica vem prejudicada pela inflação resiliente, que corrói o poder de compra das famílias e a migração de recursos que passam do consumo de bens industriais para os serviços.

Perspectiva de melhora

Existe perspectiva de melhora para o ranking de produção no Brasil. No entanto, a gente tem impressão que a produção industrial não está deslanchando, mas, aparentemente, a fase de quedas sucessivas ficou para trás.

Entre os elementos que podem ajudar a produção brasileira no segundo semestre de 2022 estão:

  • Normalização dos gargalos de ofertas de insumos;
  • Trégua recente da inflação via preços de combustíveis;
  • Medidas de estímulo do governo, como a distribuição de recursos extras às famílias mais vulneráveis, taxistas e caminhoneiros.

Por outro lado, as taxas de juros elevadas, os sinais de desaceleração da economia global e os desafios fiscais a serem equacionados no País ainda impedem uma projeção otimista para 2023.

A indústria de transformação mundial registrou desaceleração no ritmo de crescimento, passando de uma alta de 3,7% no primeiro trimestre de 2022 para uma elevação de 3,1% no segundo trimestre, ambos em comparação ao mesmo período do ano anterior.

A indústria brasileira melhorou seu desempenho, saindo de uma queda de 4,5% no primeiro trimestre para um avanço de 0,6% no segundo trimestre.

Sendo assim, no se viu perda de ritmo, mas os dados da Unido deixam claro que, mesmo assim, estamos muito aquém do desempenho industrial mundial.

Outras matérias para você:

Compartilhe este artigo

Quero comprar

um imóvel.

Quero empréstimo
usando meu imóvel.